Ir direto para menu de acessibilidade.

GTranslate - Tradução do site

ptenfrdeites

Opções de acessibilidade

Você está aqui: Página inicial
Início do conteúdo da página
Encontro de Culturas Negras

Oficinas e mesas de diálogos são destaques no primeiro dia do Encontro de Culturas Negras

Arte, música e discussões sobre políticas públicas marcam primeiro dia do evento no Câmpus Uruaçu

  • Criado: Quinta, 30 de Novembro de 2017, 19h26
  • Última atualização em Terça, 12 de Dezembro de 2017, 12h12
Tem início mais um Encontro de Culturas Negras no Câmpus Uruaçu
Tem início mais um Encontro de Culturas Negras no Câmpus Uruaçu

Começou nesta quinta-feira, 30 de novembro, mais uma edição do Encontro de Culturas Negras do Instituto Federal de Goiás e do Seminário de Educação para as Relações Étnico-Raciais. Sediados no Cãmpus Uruaçu, os eventos trazem como pauta principal a discussão sobre as relações inter-raciais.

Este primeiro dia de Encontro de Culturas Negras veio acompanhado de muita chuva, mas também de muita empolgação de servidores, estudantes e do público externo que prestigiam o concorrido evento. Nesta tarde, seguindo a programação, foram realizados minicursos, roda de conversa e algumas oficinas. Entre estas últimas, estava a concorrida oficina de percussão brasileira com instrumentos alternativos.


Instrumentos alternativos
Abílio Carrascal, docente do Câmpus Águas Lindas da disciplina de Artes, revela que a oficina que ele ministra originou-se a partir da ideia de propor um diálogo: “havia a ideia de dialogar com vários contextos nos quais os jovens estão inseridos, propondo uma sensibilização no que diz respeito à produção de arte e também de música”.

Professor Abílio orienta aluno durante a oficina de percussão

 

Trabalhando com vários tipos musicais tradicionais que têm em sua base a influência negra, como o maracatu, o samba reggae, a marchinha e a ciranda pernambucana, o professor ressalta que esta é uma oportunidade de propor uma atividade lúdica, propondo uma introdução à formação musical e à produção de música. Pela diversidade de materiais com os quais trabalha, o professor também chama atenção para o fato de que a oficina trabalha nos jovens a questão ambiental, uma vez que os materiais usados na confecção dos instrumentos são originados a partir do reaproveitamento e da reciclagem de material, a partir do reuso de tampinhas, tambores, toneis, latas diversas. “Assim, conseguimos, além de propor ideias no que tange a formar um gosto musical, educar para a arte e sobretudo propor uma ressignificação de determinadas questões relacionadas à arte e à música. Mais do que isso, os discentes percebem que eles podem criar música de um jeito muito original, usando materiais que eles podem pegar em casa”.

 


Conscientização e políticas
No período vespertino, também foi realizada uma roda de conversas com pró-reitores do IFG. Mediada pela professora Ádria Borges, que também é uma das coordenadoras da Comissão Permanente de Implementação de Políticas de Igualdade Étnico-raciais (CPPIR) da Instituição, o diálogo contou com a presença dos pró-reitores de Ensino, Oneida Cristina Irigon; de Pesquisa e Pós-Graduação, Écio Naves Duarte; de Desenvolvimento Institucional, Amaury França Araújo; e de Extensão, Daniel Silva Barbosa.

Pró-reitores participam de mesa de diálogo no primeiro dia do Encontro de Culturas Negras

Pró-reitores do IFG falam sobre as políticas de igualdade no âmbito da Instituição

Durante essa primeira mesa de diálogos realizada no evento, os professores ressaltaram a necessidade de pensar a respeito das metas e desafios no âmbito das relações inter-raciais. Para o pró-reitor de Extensão, Daniel Barbosa, conhecer a realidade da discriminação sofrida pelos negros, a desigualdade presente no país e lidar com os problemas do racismo presentes na sociedade é algo fundamental. Para o professor, “não basta propiciar acesso aos estudantes: é preciso garantir qualidade educacional para todos”.

Os pró-reitores presentes, em suas falas, também chamaram atenção para o fato de que há alguns avanços no âmbito das políticas institucionais, mas há ainda uma série de questões que precisam ser efetivadas. Outros diálogos a respeito das Políticas de Igualdade Étnico-Racial ainda ocorrerão ao longo do evento.

 

Programação noturna
Ainda hoje, serão realizadas a solenidade e a conferência de abertura do III Encontro de Culturas Negras. A solenidade contará com a presença de diversos gestores da Instituição. A conferência, por sua vez, traz o tema “Educação afro, democracia e os desafios no Brasil contemporâneo” e será ministrada pelo professor da Universidade Federal da Bahia, Eduardo David de Oliveira. Posteriormente, será realizado show no pátio da Instituição com Kika Ribeiro.

 

Confira outras fotos do evento em nossa página da Facebook..



Diretoria de Comunicação Social/ Reitoria.

Fim do conteúdo da página