Ir direto para menu de acessibilidade.

GTranslate - Tradução do site

ptenfrdeites

Opções de acessibilidade

Você está aqui: Página inicial > Últimas Notícias > Palestra sobre Alfabetização Científica abre oficialmente o II EPEPE
Início do conteúdo da página
II EPEPE

Palestra sobre Alfabetização Científica abre oficialmente o II EPEPE

Criado: Terça, 19 de Junho de 2018, 19h19 | Última atualização em Quinta, 21 de Junho de 2018, 14h39

Evento segue até quarta-feira, quando acontece a apresentação dos Resumos e mesa de debate

Teve início na noite de ontem, o II EPEPE - Encontro de Pesquisa e Extensão em Processos Educacionais, evento que tem por objetivo ser um espaço de diálogo crítico e reflexivo acerca da formação do professor, do processo de ensino e aprendizagem, entre outros temas pertinentes ao exercício da docência. 

A professora convidada para proferir a palestra de abertura foi a doutora em Educação da Universidade de São Paulo (USP), Lúcia Helena Sasseron, que tratou sobre a alfabetização científica, processos de construção do conhecimento das ciências e ensino por investigação.

Durante sua fala, a professora chamou a atenção para o fato de que o ensino das ciências “deva contribuir para que os problemas cotidianos possam ser resolvidos à luz dos processos científicos” e exemplificou com o caso de uma turma de alunos que conseguiu compreender conceitos da física e relacioná-los aos fatos cotidianos. Isso foi possível, de acordo com a palestrante, porque essa prática de ensino com os alunos envolveu cinco etapas necessárias à liberdade intelectual: a eles foi dado um problema; foi permitido que eles elaborassem um plano de trabalho; houve a coleta de dados; o levantamento de hipóteses e, por último, a construção das explicações. O que possibilitou a eles construir entendimentos e ideias sobre o ensino da física a partir do próprio conhecimentoo e da contribuições dos colegas e professor.
Com essa exemplo, a palestrante reforçou o fato de que “a promoção de interações e de processos de argumentação para que práticas científicas e epistêmicas sejam desenvolvidas depende das ações de planejamento e de implementação pelo professor”.

 

Presenças
Antes da palestra de abertura, os participantes do EPEPE prestigiaram a apresentação do Coral Incantus, do IFG Câmpus Itumbiara. Na sequência, foi composta a mesa diretiva do evento, onde os gestores do IFG e autoridades convidadas deram às boas-vindas aos presentes e ressaltaram a importância do Encontro.
Na mesa diretiva estava a diretora-geral, Aline Silva Barroso; o chefe de departamento, Jucélio Costa de Araújo e a a gerente de pesquisa, pós-graduação e extensão, Blyeny Hatalita Pereira Alves (todos do Câmpus Itumbiara). E ainda a professora e líder do NuPEPE, Marlene Ribeiro da Silva Graciano, o diretor-geral do Câmpus Uberlândia do Instituto Federal do Triângulo Mineiro (IFTM), Edinaldo Gonçalves Coutinho e a professora Simônia Peres, representando o pró-reitor de ensino do IF Goiano, Vírgilio Tavira.
Além da comunidade acadêmica e participantes inscritos, também prestigiaram a abertura do EPEPE o representante da secretaria municipal de educação de Itumbiara, Juliano Guerra, o coordenador do mestrado em Educação para Ciências e Matemática do IFG Câmpus Jataí, Paulo Henrique de Souza, a professora do Instituto Federal do Mato Grosso (IFMT) Rosimeire Montanuci e a coordenadora pedagógica da Unifasc, Vanessa Silva.


Organização
Idealizado pelo Núcleo de Pesquisa e Extensão em Processos Educacionais (NuPEPE), do IFG Câmpus Itumbiara, o evento surgiu a partir da percepção do membros do Núcleo para a necessidade de se instituir um espaço para troca de experiências, compartilhamento de resultados de pesquisas, diálogo sobre a formação professoral e práticas de ensino. O EPEPE também se caracteriza por ser um Encontro dedicado à educação científica e tecnológica e à discussão das políticas educacionais.

 

 

Setor de Comunicação Social e Eventos – Câmpus Itumbiara.

Fim do conteúdo da página